quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

Quem não acredita em Papai Noel?


Papai Noel encarna a esperança básica de que, ao menos uma vez por ano, o mundo nos queira bem


NO SÁBADO, foi o primeiro aniversário de Gabriela, filha de amigos meus. Ela estava radiante, num vestido que, pela cor vermelha, contribuía ao tema da festa: o Natal. Havia um Papai Noel no seu trenó, em tamanho natural, e a casa do Papai Noel no polo Norte, com o elfo a judante diante da porta e muita neve no teto. Havia também duas renas voadoras, que não reconheci, mas nenhuma delas era Rudolfo (que, como se sabe, tem nariz vermelho).

Concordo com a escolha dos pais de Gabriela: como primeira história na qual acreditar, a de Papai Noel é imbatível -embora ela tenha vários inimigos.

1) Há os que dizem que Papai Noel não passa de um vendedor de shopping center ou de um animador de loja de departamento, inventado para que, nesta época do ano, compremos um monte de futilidades. Penso diferente.

Vi muitas crianças ponderando e escrevendo suas cartas de Natal ou, então, esperando, na fila, para sussurrar seus sonhos no ouvido do próprio Papai Noel. O importante não era que elas conseguissem o que pediam, mas que elas manifestassem suas vontades, tivessem a coragem de querer.

No Natal, aliás, o presente é quase supérfluo. Nestes dias, não há como jantar num restaurante sem assistir à entrega das surpresas de um amigo secreto. Cada um desembrulha, finge encantamento e ergue seu presente para a foto: é um troca-troca de objetos sem uso que acabarão no fundo de uma gaveta ou serão passados adiante, quem sabe no Natal do ano que vem.

O presente pode ser qualquer coisa porque, em muitos casos, seu valor é o mesmo dos ursos de pelúcia que abraçamos no sono, ao longo da infância: ele serve como lembrança saudosa de quem nos presenteou e, ao mesmo tempo, substitui o presenteador de maneira que possamos dispensar sua presença.

Só para ilustrar a complexidade de pedidos e presentes, mais um exemplo. Francisco, aos cinco anos, num dia de novembro, quis ditar sua carta ao Papai Noel; ele não queria presente algum naquele ano, preferia que o Papai Noel pensasse nas crianças que não têm nada.

Francisco selou e mandou seu pedido, com grande contentamento dos pais, orgulhosos da generosidade do filhinho. Poucos dias mais tarde, Francisco estava sendo impossível, explosivo, levado. A mãe: "Se Papai Noel souber como você se comporta, ele não trará nada para você". Francisco, feliz e sardônico: "Eu não pedi nada neste ano".

2) Alguns se indignam porque o culto a Papai Noel, figura mágica ou pagã, desnaturaria o Natal religioso. Acho estranho: o Papai Noel encarna e celebra a esperança básica de que o mundo não nos seja hostil, que, ao menos uma vez por ano, ele possa nos querer bem. Graças ao Papai Noel paira, sobre nós todos, um olhar generoso. Será que essa esperança é muito afastada do sentido cristão do Natal?

3) A objeção mais impiedosa ao Papai Noel vem da crítica racionalista, pela qual é nocivo induzir as crianças a acreditar em coisas cuja existência é duvidosa.

Acho curioso. No fundo, acreditar ou não na existência do velhinho do polo Norte é sem relevância. Mas é crucial acreditar na possível generosidade do mundo para com a gente e com todos.

Anos atrás, passando o Natal em Gstaad, uma estação de esqui nos Alpes do Valais, na Suíça, eu e um amigo decidimos (estupidamente) atormentar o pequeno Mário, seis anos, anunciando, sem parar, a chegada iminente do Papai Noel. Mário, ao mesmo tempo, desejava essa chegada e era literalmente apavorado por sua eventualidade.

No fim, quisemos saber: do que ele tinha tanto medo? Da aparição sobrenatural do trenó voador? Do julgamento de seu comportamento passado, que seria implícito no presente recebido? Mario explicou: "Nada disso. É que, se ele vier, eu terei que ser bom".

Agora, se um jovem leitor tivesse aguentado até aqui e me perguntasse "Afinal, para você, Papai Noel existe ou não?", como responderia?

Primeiro, observaria que é bom não dar ouvidos aos que insinuam que o Papai Noel não existe. Os cínicos são sobretudo invejosos; funciona assim: por medo de que meu irmão receba mais amor do que eu, declaro que a mãe não existe e tento vender essa ideia ao meu irmão.

Logo, seguiria o exemplo de uma mãe que, diante das dúvidas do filho, disse: "Se você acredita nele, no mínimo ele existe dentro de você".

Feliz Natal a todos.

18 comentários:

  1. Defender o Papai Noel porque ele é "generoso" e dizer que quem não gosta é invejoso, me parece excessivamente simplista.

    ResponderExcluir
  2. Belíssimo texto; um presente de Natal! Fiquei muito emocionada!
    É exatamente desta forma que penso. Você, com suas lindas palavras, reforçou meus argumentos.
    Acredito em tudo que pode nos trazer alegria e nos tornar pessoas melhores.
    Obrigada Contardo!
    Adoro seu trabalho (Narciso acha lindo o que é espelho!).

    ResponderExcluir
  3. caro, Gosto muito do que você escreve, embora na algumas vezes não concordo com o que diz, como agora. Gostaria que se tivesse um tempinho, tbém bizoiasse o meu blog. mlalin.blogspot.com. Você pode ser um acompanhante do meu blog. Será uma honra. Abraços

    ResponderExcluir
  4. Tive que deixar um comentário. Gosto muito do que o Contardo escreve, afinal, sabe escrever e POUCOS fazem isto de maneira tão gostosa. Mas, aliar-se ao Papai Noel desejando um Feliz Natal a todos parece ser um tanto ... capitalista?! Sorry Contardo, mas você não precisa disto, ou precisa? Leia um pouco de Jean Baudrillard, quem sabe ilumina.

    ResponderExcluir
  5. Como Calligaris colocou em outra oportunidade, toda a discussão que situa campo do a favor ou do contra é a mais infrutífera (claro que nas nossas vidas temos que tomar decisões e ser "a favor" de algo)
    Como o Contardo coloca, creio que o Papai Noel tem a vantagem de autorizar que desejemos e as vezes desejemos o que parece impossível, infelizmente o desejo de todos hoje está impregnado pelo capitalismo, consumo, mas isto é outro tema...
    Porém, creio, que o mesmo Papai Noel estimula a acreditarmos que os desejos se realizam por magia ou por uma associação estranho entre ser bonzinho e ganhar presentes...o que ajuda muito pais manipuladores.
    E por fim, é inegável que o mercado adora Papai Noel e o consumismo do Natal, duas coisa associadas, mas não iguais.

    ResponderExcluir
  6. Belissímo texto!! Acreditar no que há dentro de nós é para poucos. Por isso a impotãncia dessas palavras para uma criança, pode ser um estímulo que irá fazer toda a diferença em sua vida. Fantasia ou não o que importa é acreditar na mensagem do Natal. Os presentes, e tudo o mais são meros acessórios.

    ResponderExcluir
  7. MEU DEUS?!
    ATÉ CONTARDO "EMBABACOU"?!

    ResponderExcluir
  8. Acreditar em uma humanidade melhor é o que importa, parabéns por retratar a magia do natal de maneira irreverente, pois sonhar e plantar sonhos é o real objetivo de papai noel e, resgatar um sorriso n'alma e a esperança de uma vida melhor!

    ResponderExcluir
  9. ...não quero nem saber se isso ou aquilo...
    ...o fato é: visualizar uma criança encantada com a "chegada" do velhinho de barba e saco cheio de presentes é maravilhoso, pois de lambuja nossos corações adultos e endurecidos,amolecem e nos faz pensar em um mundo leve e encantador...E a Festa do Natal fica repleta de AMOR PULSANDO em nossos corações.

    ResponderExcluir
  10. "Do julgamento de seu comportamento passado, que seria implícito no presente recebido?"

    Isso é pergunta que se faça para uma criança de seis anos?

    Suíça?
    Alpes?

    Gosto muito do que escreve, e fazer uma crítica ao seu texto seria muita, mas muita falta de humildade de minha pessoa.
    Acho que deve ter começado as festas de final de ano um pouquinho mais cedo, por este motivo, não obstante seu irrecusável cabedal, por algumas pitadinhas a mais de drogas lícitas e, quem sabe... Deve ter escrito esse texto nessas circunstâncias. Todo mundo já fez isso, não pega nada.

    O fato é... prefiro me recolher em minha demasiada insignificância colocando um trecho de uma banda punk que escutava quando garoto:

    "papai noel, filho da puta, rejeita os miseráveis..."


    Continuarei a ler os seus textos com muito prazer...

    Um abraço

    ResponderExcluir
  11. Adoro ler comentários de pessoas decepcionadas com a opinião do Contardo. O mais engraçado foi pedirem para ele ler Jean Baudrillard para, quem sabe, iluminá-lo. Um exemplo de falta de humildade.

    ResponderExcluir
  12. De fato acreditar que a figura do papai Noel vai fazer do mundo melhor e mais generoso é no mínimo algo muito simplista mesmo, pra não dizer ingênuo. Se realmente pensarmos na nossa atualidade e na dificuldade que as pessoas tem de encararem seu estado de ilusão, seria quase um crime fazer uma criança acreditar em papai Noel, por que isso seria mais uma ilusão da qual os grandes conglomerados capitalistas se aproveitam. A Coca Cola todo ano vem a minha cidade trazer o papai Noel, por que será hein? Por que ela deseja a paz e a generosidade, ou por que ela quer conquistar mais consumidores? Grande abraço!

    ResponderExcluir
  13. Só para dar um testemunho: tenho 58 anos e acredito firmemente em Papai Noel (no passado, na minha região, ele se chamava Nicolau ou Weinachtsmann). Meu bisavô, quando chegou ao Brasil, lá pela década de 1890, já tinha tamanha certeza de tal fato que fez das tripas coração para que o Papai Noel não deixasse de vir visitar suas crianças, completamente isoladas na Floresta Atlântica! È bom lembrar que isso foi antes da Coca Cola,hehehe! Levo tão a sério o assunto que um livro meu, chamado "Crônicas de Natal e histórias da minha avó" acabou virando filme (diretora: cineasta Mara Salla), e o filme virou sucesso, cheio de premiações, e o livro anda por aí, encantando milhares de crianças, inclusive em algumas centenas de escolas, e gente grande também gosta dele... afinal, MUITA gente grande acredita em Papai Noel!
    Parabéns pelo texto! Muito lindo!
    Urda Alice Klueger
    Escritora, historiadora, doutoranda em Geografia pela UFPR e admiradora incondicional da magia do Natal! (urda@flynet.com.br)

    ResponderExcluir
  14. ADORO!!! E nesse ano tive a experiência de que meu filho João descobriu que papai noel não existe... ficou bravo comigo porque eu menti. Mas eu disse pra ele que não menti nada! Expliquei sobre o espírito de Natal, onde uma pessoa pode presentear todas no Mundo! E isso EXISTE! Basta Acreditar! Basta SER Papai Noel! Meu filho fica emocionado qdo conversamos sobre o AMOR, sobre a BONDADE, sobre sermos todos Filhos do mesmo PAI. Eu fico + emocionada ainda!

    ResponderExcluir
  15. Cíntia Viviane Ventura da Silva2 de janeiro de 2011 18:58

    ******O Papai Noel não tem nada a ver com sistema político, ele não tem nada a ver com capitalismo. Ele trabalha duro o ano inteiro para que as crianças recebam presentes no Natal!!!!*******

    Entendo o protesto de alguns aqui. E não sei vocês, mas para eu chegar na idade adulta, primeiro precisei ser criança. E se hoje sou uma adulta que percebe a manipulação da indústria sobre a figura do Papai Noel (e claro, percebe inúmeras outras aberrações sociais) e grita indignada quanto a isso, é porque um dia acreditei num mundo melhor, acreditei que se pode construir uma existência com menos desigualdades. E começei a acreditar nisso tudo e a desejar tudo isso em tenra idade, com mitos e fábulas. E o Papai Noel era parte integrante deste quadro.

    Critiquem o sistema capitalista, o consumismo da população (que somos nós mesmos), mas respeitem a magia da infância!!!!

    ResponderExcluir
  16. Parabéns!
    Papai Noel representa o que nos move, o Desejo. Desejar é nossa essência, seja um presente, a paz entre os seres humanos, o respeito, um encontro, um novo amor. Papai Noel, representa a nossa fé renovada a cada ano de que tudo vai dar certo, de que vai melhorar amanhã, de que vamos conseguir o que queremos, que hoje pode ser uma boneca, amanhã um carro novo e no futuro, lá na frente, será o desejo de termos com quem compartilhar as nossas histórias, aquelas que vivemos ou não, mas que acreditamos serem as nossas verdades, contaremos aos filhos, sobrinhos, amigos, netos. Ainda bem que Papai Noel existe!
    Parabéns Contardo.
    Fabiana Lima
    fabianalima.psi@gmail.com

    ResponderExcluir
  17. Parabéns!
    Papai Noel representa o que nos move, o Desejo. Desejar é nossa essência, seja um presente, a paz entre os seres humanos, o respeito, um encontro, um novo amor. Papai Noel, representa a nossa fé renovada a cada ano de que tudo vai dar certo, de que vai melhorar amanhã, de que vamos conseguir o que queremos, que hoje pode ser uma boneca, amanhã um carro novo e no futuro, lá na frente, será o desejo de termos com quem compartilhar as nossas histórias, aquelas que vivemos ou não, mas que acreditamos serem as nossas verdades, contaremos aos filhos, sobrinhos, amigos, netos. Ainda bem que Papai Noel existe!
    Parabéns Contardo.
    Fabiana Lima

    ResponderExcluir
  18. O ser humano é um bicho mesmo dóido! Contesta o que o outro pensa, critica sua maneira de expor seu pensamento e ainda ousa dizer como deveria ser esse pensar...só posso rir! É por isso que em psicanálise não há cura. Ser gente grande pode ser divertido, por que não? Ir pela sombra, apreciando a paisagem...a vida pode ser leve, gostosa, lúdica com presença de papai noel e até coelhinho da páscoa...ou só vale curtir a parte difícil?

    ResponderExcluir